Cuiabá, 22 de outubro de 2019

Isso é Notícia

MENU

INSEGURANÇA

Delegado participa de protesto contra lei que interfere no combate ao crime organizado

Erro na Linha: #12 :: Undefined variable: charge_title
/home/issoenoticia/public_html/themes/issoenoticia/inc/sharebox.php
FABRICIO RODRIGUES / ALMT
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

www.al.mt.gov.br

O deputado estadual Delegado Claudinei participou, em frente ao Palácio do Planalto, na Praça dos Três Poderes, em Brasília (DF), do ato público com juízes, procuradores, promotores, policiais, entre outros, contrários à aprovação pela Câmara dos Deputados da Lei n.º 7.596/2017, que dispõe sobre os crimes de abuso de autoridade. Essa manifestação ocorreu também em diferentes regiões do Brasil para demonstrar que a matéria interferirá no combate ao crime organizado.

O parlamentar, que atuou como delegado de polícia por 17 anos, destaca que a sociedade não pode se calar, pois está havendo uma inversão de valores, em que as instituições que combatem a corrupção e crimes vão ser enfraquecidas com aprovação da lei e o crime organizado fortalecido.

“As polícias civis e militares, Poder Judiciário e Ministério Público, não podem se calar contra uma lei absurda. Eles querem tirar os poderes de investigação de polícia, o poder de denúncia do Ministério Público, o poder de punição do Poder Judiciário. Isso só interessa aos corruptos, às organizações criminosas. Por isso, estou aqui em Brasília, apoiando essa manifestação e contra este projeto”, ressaltou Claudinei.

A delegada e representante da Federação e Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, Maria do Socorro, também participou do protesto. “Este projeto de lei tem que ser vetado. No mínimo, os dez artigos que afetam diretamente o trabalho das polícias. A Polícia Judiciária vai ficar sem condições de desenvolver um trabalho sério e competente, com apuração total e profunda dos fatos, porque vai estar amordaçada, temerosa, receosa dos ataques que vão vir em decorrência desta lei. Precisamos a chamar atenção de nosso presidente para que vete essa lei na sua totalidade e, se não puder, pelo menos aqueles dez artigos que mais nos prejudicam no trabalho para defender a sociedade”.

Durante o ato, os manifestantes expuseram faixas e cartazes com mensagens de que a proposta do projeto de lei do abuso tornaria estuprador solto e promotor preso, homicida solto e juiz solto, bandido solto e promotor na cadeira, enfraquecimento no combate à criminalidade e, principalmente, o pedido de veto ao presidente da República, Jair Bolsonaro, que terá até o dia 5 de setembro para decidir se aprova ou não o projeto.

Leia matérias relacionadas:

Comente pelo Facebook!

Comente pelo site!

Olá, deixe seu comentário para

Enviando Comentário Fechar :/