Cuiabá, 21 de abril de 2019

Isso é Notícia

MENU

BATENDO CONTINÊNCIA

Em viagem aos EUA, Bolsonaro continua com retórica da campanha eleitoral

Erro na Linha: #10 :: Undefined variable: charge_title
/home/issoenoticia/public_html/themes/issoenoticia/inc/sharebox.php
Alan Santos/PR
REDE BRASIL ATUAL REDE BRASIL ATUAL

www.redebrasilatual.com.br/

A visita de um presidente brasileiro aos Estados Unidos pode não passar despercebida. Afinal, trata-se do chefe de Estado do país mais importante da América do Sul sendo recebido pelo colega que comanda a maior potência econômica e militar do mundo. No entanto, para Reginaldo Nasser, professor de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), sempre “há certo exagero” ao se avaliar visitas diplomáticas. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro chegou ontem aos EUA.

“Habituou-se a dar peso imediatista às visitas, e, na verdade, política externa, política comercial e de segurança internacional não se decidem a partir de declarações, ou desses pequenos encontros entre presidentes, mas, sim, a partir de uma série de variáveis que envolvem muitos atores de ambos os países”, diz.

Se é sempre recomendável avaliar visitas como a do presidente brasileiro aos EUA com certa precaução, isso é ainda mais notório no caso de Bolsonaro. “Tanto ele como Donald Trump são de um estilo para o qual parece que a política externa se faz no Twitter, com bravatas. Ninguém faz política externa assim”, diz Nasser.

Na opinião do professor da PUC-SP, não é a retórica que terá peso para mudar relações históricas. “Os Estados Unidos começaram a ter uma política comercial com a China em 1894. Então, é Bolsonaro que vai lá dizer o que é a China?” Ele lembra que, na década de 70, com Richard Nixon e Henry Kissinger, um de seus governos mais conservadores, os EUA se aproximaram da China de Mao Tsé-Tung. “Toda essa retórica de hoje não tem efeito nenhum, só nos tuítes do Olavo de Carvalho e deputados aliados por aí.”

Considerando que se está falando de questões diplomáticas, para Rodrigo Gallo, professor de pós-graduação em Política e Relações Internacionais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fespsp), é digno de nota o quase nulo protagonismo do chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, na viagem, pelo menos até esta segunda-feira (18).

“É interessante que ministro das Relações Exteriores, numa missão diplomática desse porte, que teoricamente seria o mais habilitado para lidar com essas questões, quase não fala a respeito”, diz Gallo. “O mais tradicional seria termos um ministério das Relações Exteriores mais ativo.”

Os discursos de Bolsonaro continuam parecendo campanha eleitoral. Ao chegar aos EUA, o presidente afirmou que sempre sonhou “em libertar o Brasil da nefasta ideologia da esquerda” e acrescentou: “Nosso Brasil caminhava em direção ao socialismo, ao comunismo.” Informou ainda aos americanos que "o nosso país" se desviou desse caminho pela “vontade de Deus”.

Para Nasser, a ida do mandatário brasileiro aos Estados Unidos “tem um tom muito mais para eleitores e seguidores de ambos, nos seus respectivos países, do que uma sinalização mais forte de algo concreto”. Executivos da área comercial e investidores, por exemplo, não dão importância a variáveis ideológicas como as colocadas por Bolsonaro e seus auxiliares entre ontem – quando o grupo chegou aos EUA – e hoje.

Não havia nenhum representante influente do governo dos Estados Unidos no jantar do qual Bolsonaro participou no domingo, na residência do embaixador do Brasil em Washington, Sergio Amaral. A “celebridade” mais importante no jantar foi Steve Bannon, ex-assessor de Donald Trump que foi defenestrado do governo pelo ex-chefe e assessorou a própria campanha eleitoral do brasileiro. “Não tinha ninguém com influência no governo ou na economia americana nesse jantar”, lembra Nasser.

Alcântara e Venezuela

Entre as questões a serem discutidas estão a Venezuela e a base de Alcântara. Bolsonaro assinou nesta segunda um acordo pelo qual autoriza os Estados Unidos a lançar foguetes da base no Maranhão. 

Para Gallo, a questão de Alcântara é sensível. “É uma base estratégica de lançamento de foguetes. Acho que nem todo mundo dentro do Exército, nem a base de apoio militar do Bolsonaro, concorda, porque é ceder uma área estratégica a outro país. Um acordo desse tipo vale por décadas.”

Sobre a Venezuela, os dois presidentes devem reutilizar a retórica “pró-democracia” no país vizinho, reforçando o apoio a Juan Guaidó contra o presidente Nicolás Maduro. 

Nos últimos cerca de 15 anos o Brasil priorizou uma política externa multilateral. “Esse discurso de alinhamento com os Estados Unidos não é produtivo para a política externa. O ideal é dar continuidade ao debate sobre multilateralismo”, defende o professor da Fespsp. “Mesmo no regime militar, o governo Geisel aproximou o Brasil de países africanos como Angola. Temos uma tradição de multilateralismo que não pode ser perdida.”

Leia matérias relacionadas:

Comente pelo Facebook!

Comente pelo site!

Olá, deixe seu comentário para

Enviando Comentário Fechar :/