Cuiabá, 23 de agosto de 2019

Isso é Notícia

MENU

AVELINO TAVARES

Lufada no Cuiabá

Erro na Linha: #10 :: Undefined variable: charge_title
/home/issoenoticia/public_html/themes/issoenoticia/inc/sharebox.php
AVELINO TAVARES AVELINO TAVARES

Historiador, escritor, membro da Academia Mato-grossense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso

Nestes 300 anos de Cuiabá, o blog Isso É Notícia​ decidiu não publicar artigos oportunistas de politiqueiros de plantão enaltecendo a Capital. Esses oportunistas - a maioria políticos ou suas esposas - sempre aparecem com textos bonitinhos - a maior parte é de autoria de assessores - nessas ocasiões.

Mas, na prática, estão cagando e andando pra nossa cidade. Desta forma, para homenagear Cuiabá, escolhemos um emocionante poema do historiador, escritor e imortal da Academia Mato-grossense de Letras, Avelino Tavares.

 

 "LUFADA NO CUIABÁ"

Rio Cuiabá, escorregando, murmurando

Suplicando, socorro, implorando…

Preservação, comiseração

Pelas piscosas águas

Limite, divisor natural

Histórias: - Várzea Grande - Cuiabá!

Lendas, contos arquivando, albergando...

Cuia da mão do índio tombou

Na pedra "rufou", "Ba"

A cuia quebrou, rodou, acabou...

Cuiabá, compondo história regional

Abril, maio, cidades irmanadas

Explodem, cantam, Cururu, Siriri

Folclóricas evocações – "Parabéns a você"

A sombra dos cajueiros, laranjais, mangueirais!

Composições à poesia ambiental

Redes distendidas para o lazer no quintal

Rio Cuiabá, azulando as águas

Corimbatás, piavuçus, peixe-cachorro,

Garças brancas acompanhando o ritual

Maternidade de Deus – Adeus pantanal!

Tempo de pescaria, fartura de peixada

Mandioca em panelada fervendo

Abril, maio, “Lufada no Cuiabá!"

Cana madura, melado, rapadurada

Leia matérias relacionadas:

Verba indenizatória (VI)
LÍCIO MALHEIROS

Verba indenizatória (VI)

A verba indenizatória criada em 2007; durante período de existência, sofreu aumento considerável, da ordem de 1.118%, desde sua criação

Elogio à loucura
ARNALDO JUSTINO

Elogio à loucura

Administrar os próprios bens pode gerar desconfiança dos familiares. Imagine gerir o bem alheio, fiscalizado por todos

Comente pelo Facebook!

Comente pelo site!

Olá, deixe seu comentário para

Enviando Comentário Fechar :/