Quinta, 25 de Fevereiro de 2021 12:33
65 99222-1842
OPINIÃO FABRÍCIO CARVALHO

A hora e a vez do esporte em Cuiabá

O cenário futuro para o futebol e os demais esportes é bastante animador

13/02/2021 16h07
Por: Redação Fonte: FABRÍCIO CARVALHO
A hora e a vez do esporte em Cuiabá

Para começo de assunto, faço ao leitoruma declaração: sou um apaixonado por esporte e um entusiasta de como ele pode ser transformador na sociedade.

 

Então, hoje, em primeiro lugar, quero destacar este momento tão especial vivido pelo futebol mato-grossense, e particularmente cuiabano, com a ascensão do Cuiabá Esporte Clube à Série A do Campeonato Brasileiro que começa a ser disputado em maio de 2021.Com efeito, pode parecer das mais meteóricas a trajetória do Dourado em seus 20 anos de existência, com 13 títulos regionais no período e culminando com a subida para a elite do Brasileirão ao final do segundo ano de disputa da Série B.

 

Meteórica parece e, de fato, é. Não há dúvida.

 

Mas se este é o estopim para me animar a falar do tema, ele não é o todo. Obviamente. Porque a história do futebol de Cuiabá e, por extensão, de Mato Grosso, é muito maior. Numa rápida pincelada, basta lembrar que antes do Cuiabá E.C., outros clubes da Baixada Cuiabana já tiveram esse privilégio: Mixto e Dom Bosco, da capital, nas décadas de 1970 e 1980; assim como um representante da vizinha Várzea Grande, o Operário Várzea-grandense, que tinha sido o último, até então, a representar Mato Grosso no Brasileirão Série A, no ano de 1986.

O prefeito Emanuel Pinheiro, antenado com essa ideia de potencializar a conquista atual, há poucos dias, em entrevista a um site de notícias da Capital, depois de desejar sorte ao Cuiabá E.C.,destacou o apoio que pretende oferecer àqueles que, no seu entender, tanto ajudaram, e ajudam, a dignificar a história do futebol cuiabano: o Dom Bosco (do qual, por sinal, é torcedor) e o Mixto.

 

Dentro desse mesmo propósito partilhado, há poucos dias recebi,com muita alegria,os amigos Márcio Alencar, do Mixto Esporte Clube,juntamente com Mauricio Dias e Romildo Silva, do Clube Dom Bosco, para tentar entender melhor o momento deles e contribuir com ideias visando ao crescimento desses tradicionais times cuiabanos. Com a ascensão do CuiabáE.C., é muito importante que todos cresçam juntos fortalecendo a cena do esporte local.

 

Mas, conforme disse já no início, futebol é importante, é o esporte mais apaixonante para o brasileiro, mas não é tudo. Por isso, minha grande intenção, aqui, vai nesta direção: a de poder contribuir para fortalecer o esporte mato-grossense num sentido amplo, nos dias que seguem:ir além do óbvio deste momento de glória e chamar a atenção não exatamente para os grandes, aliás neste momento, tão bem representados pelo Dourado e suas indiscutíveis conquistas. É ele a nossa vitrine, claro. Mas quero falar aqui “da outra ponta”, do reflexo possibilitado por essa vitrine em termos de horizontes.

 

E não somente destacando aspectos esportivos como também socioeconômicos, culturais, de impacto em nossa cidade: da periferia ao centro; dos campinhos de várzea aos miniestádios espalhados pelos bairros de toda a cidade, por todo o nosso município.

 

Já que a economia é sempre tão importante para o bom funcionamento de toda e qualquer cadeia de negócios, destaquemos aqui o aspecto da movimentação financeira.

 

Segundo dados (relativos a 2018) da consultoria em finanças Ernest & Young, a pedido da CBF para analisar toda a cadeira produtiva e impacto do futebol, o futebol movimenta um total de R$ 52,9 bilhões na economia, o que representa 0,72% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro. Mas só gera arrecadação de R$ 761 milhões em impostos, isto é, 1,4% do total. No total, o estudo apontou que CBF, federações e clubes respondem por R$ 11 bilhões de movimentação da economia, e outros R$ 37,8 milhões são de efeitos indiretos. Por fim, somam-se ainda valores de salários, encargos sociais e impostos para chegar ao número final.

 

Nesse sentido, é preciso encontrar novos mecanismos para garantir competitividade perante outros mercados internacionalizando campeonatos, fair-play financeiro entre clubes e principalmente a difusão de boas práticas de gestão e governança entre clubes e federações.Utilizar mais ainda a Arena Pantanal e o Dutrinha, que será entregue em breve reformado e apto a receber competições nacionais e internacionais, assim como o Centro Oficial de Treinamento (COT) da UFMT, com sua pista de atletismo já inaugurada e pronta também para abrigar disputas em alto nível.

 

A profissionalização do esporte acarreta mais investimentos para o futebol, clubes bem estruturados têm maior potencial para receber novos investimentos.

 

A tecnologia será também catalisadora potencial para o crescimento da indústria do futebol em Mato Grosso. O tradicional hábito de assistir jogos pela televisão está mudando incentivado pelas novas plataformas de transmissão e o maior acesso à banda larga. A pandemia e a permanência forçada em casa aumentam esse consumo.

 

Novos protagonistas de transmissão estão concorrendo para adquirir diretos de transmissão aumentando as possibilidades financeiras para os clubes e novas plataformas de transmissão geram maior interatividade com os fãs e maior possibilidade de monetização aos mesmos.

 

O cenário futuro para o futebol e os demais esportes em Cuiabá é, pois, bastante animador. Mas é necessário que os atores envolvidos neste complexo sistema trabalhem de forma conjunta e organizada para, assim, aproveitar o conjunto de oportunidades.

 

A hora e a vez do esporte em Cuiabá é agora. Pode ser agora. Só depende de nós, de nossa disposição e capacidade de trabalhar para que esse nobre objetivo seja alcançado.

 

Maestro Fabrício Carvalho é Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica da UFMT.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias