Terça, 22 de Junho de 2021 04:07
65 98157-3554
COTIDIANO POLÊMICA DO MODAL

Projeto do BRT apresentado pelo Governo é pintura de faixa para ônibus, diz presidente do Crea

Juares Samaniego também é presidente Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá

10/03/2021 11h27 Atualizada há 3 meses
Por: Redação
Juares Samaniego é presidente do Crea-MT e do Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá
Juares Samaniego é presidente do Crea-MT e do Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá

Visita técnica realizada pelo Consórcio VLT na última segunda-feira (8), atestou que os trens do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), adquiridos há sete anos e armazenados no Centro de Controle, Manutenção e Operação (CCO), próximo ao Aeroporto Internacional de Cuiabá, estão em perfeito estado de conservação e manutenção. Presente na ocasião, o presidente do Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, Juares Samaniego evidenciou a maior eficiência energética e capacidade de transporte de passageiros três vezes maior do modal diante de seus concorrentes, o BRT e o VLP. 

Samaniego, que também é presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-MT), não há dúvidas de que o modal mais moderno e que foi escolhido para ser implantado em Cuiabá foi o VLT como amplamanete debate com a sociedade antes da Copa do Mundo de 2014.

Ele citou que para concluir o VLT são necessários R$ 460 milhões que já estão disponíveis na Caixa Econômica Federal (CEF), que é o banco que financia o projeto do modal. 

Composições do VLT, apesar de paradas, estão em pleno funcionamento, garante Consórcio

 

Preço apresentado pelo Governo não condiz com ônibus elétrico

“É difícil você comparar projeto, porque o que foi apresentado [pelo Governo em dezembro passado] é VLP e não BRT, por isso se diz que já está boa parte pronto, porque é pintar as faixas da rua. E [anunciaram] a aquisição de 54 ônibus a R$ 35 milhões, eu acredito que seja a diesel, porque ele a bateria, o ônibus elétrico, ele é muito mais caro que isso, chega a R$ 150 milhões", opinou Juares Samaniego, durante a vistoria técnica realizada ao Centro de Controle e Operação (CCO) do VLT em Várzea Grande.

O Isso É Notícia acompanhou a vistoria realizada na última segunda-feira (8), e transmitiu, ao vivo, pelas redes sociais. (Veja o vídeo ao final da reportagem)

"O VLT é uma energia bem mais limpa e barata e tem seu período de vida de mais de 30 anos, ônibus tem a vida útil de 10 anos. Sem falar na capacidade de transporte de passageiros, que comparativamente a do VLT é 2,5 vezes maior. Cada ônibus de BRT tem a capacidade pra 170 passageiros, enquanto que no VLT são 400”, completou Samaniego.

De acordo com o Consórcio responsável pelo VLT em Cuiabá, a movimentação mecânica dos trens é realizada a cada 15 dias, seguindo todas as diretrizes do Plano de Manutenção da Construcciones y Auxiliar de Ferrocarriles (CAF), empresa espanhola fabricante do equipamento ferroviário. A cada 60 dias é emitido um relatório ao Governo do Estado. Nesta segunda (08), foi atestado por equipe técnica o excelente estado de conservação externa, interna, em todos os equipamentos elétricos, eletrônicos, telecomunicações, hidráulicos, pneumáticos, climatização.

Estiveram presentes o secretário-geral da Associação Latino Americana de Ferrovias (Alaf)/Brasil, Jean Carlos Pejo, que é ex-secretário nacional de Mobilidade Urbana e responsável pelo Grupo de Trabalho que aprovou o VLT de Cuiabá, técnicos da Caixa Econômica Federal (CEF), que opera os recursos federais aprovados para a obra do VLT e a presidente da Associação Brasileira de Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AENFER), Silvia Cristina Silva.

Diálogo 

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, defende que a população seja ouvida em decisão quanto ao novo modal de transporte público para Cuiabá e Várzea Grande. Para Pinheiro, a decisão estadual para substituição do modal VLTpara o BRT foi tecnocrata. O gestor defende a realização de um plebiscito para que a população escolha o novo modelo de transporte.

Após a vistoria, o Isso É Notícia revelou que a equipe ténica do VLT tenta, desde outubro do ano passado, agendar uma audiência com o governador Mauro Mendes (DEM) para tratar sobre a obra, e ainda não conseguiram.

O Comitê

Com foco em dialogar sobre a escolha do melhor modal para Cuiabá, o gestor criou o Comitê de Análise Técnica para Definição do Modal de Transporte Público da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, em 22 de janeiro via decreto municipal. Além de sua comissão técnica permanente, serão convidadas instituições, como Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (FIEMT), Sindicato das Indústrias da Construção do Estado de Mato Grosso (Sinduscom-MT), COnselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (CREA-MT) e Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso (CAU-MT) para colaborar com o debate nas reuniões, que devem ser abertas para participação pública também.

CONFIRA A TRANSMISSÃO DA VISITA TÉCNICA AO CCO-VLT EM VÁRZEA GRANDE:

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.