Sábado, 08 de Maio de 2021 09:20
65 99222-1842
COTIDIANO MAIS UMA DENÚNCIA

Sobrinha de vítima da Covid denuncia hospital por maus-tratos

Vítima foi a professora Iracilda Lima, de 51 anos, que morreu na última quinta-feira

10/04/2021 09h05 Atualizada há 4 semanas
Por: Redação 2 Fonte: HIPERNOTÍCIAS
Sobrinha de vítima da Covid denuncia hospital por maus-tratos

A vendedora Lucineide Vilalva de Souza, 36 anos, afirma que o hospital particular São Judas Tadeu foi negligente e maltratou a tia dela, Iracilda Lima, de 51 anos, enquanto ela esteve internada na unidade de saúde.

Iracilda era professora da rede pública de ensino de Mato Grosso e morreu na quinta-feira (8), vítima da Covid-19 no Hospital São Benedito, em Cuiabá. 

Essa não é a primeira denúncia envolvendo o Hospital São Judas Tadeu nesta semana (veja abaixo). 

Conforme a sobrinha relatou ao HNT, a professora deu entrada no hospital particular no dia 13 de março para tratamento da Covid-19, mas ela ainda estava consciente e conseguia se comunicar.

No entanto, a doença foi se agravando e Iracilda acabou ficando mais debilitada, a ponto de não conseguir mais levantar da cama.

Lucineide conta que, naquele momento, a sua tia se queixou do atendimento que estava recebendo no hospital. “Ela falava para mim por mensagem que estava suja, que eles não limpavam ela”.

Lucineide relata ainda que a tia foi intubada sem que a família fosse comunicada. Os familiares a mantiveram lá por mais algum tempo, temendo que desligassem os aparelhos que mantinham professora viva. Além disso, os médicos responsáveis pelo tratamento não teriam ministrado os remédios que Iracilda precisava.

“Nós fizemos um empréstimo no banco porque ficamos com medo deles desligarem o aparelho. Eles intubaram ela sem pedir, a minha tia estava conversando. Ela pediu para sair de lá no dia que eles iam intubar, e eles desligaram o celular dela imediatamente”, conta Lucineide.

Segundo a sobrinha, Iracilda foi transferida para o Hospital São Benedito entre o dia 28 e 29 de março. Ao chegar na unidade pública, as enfermeiras que atenderam a doente, informaram que professora estava com assaduras graves provocadas por fezes que estavam em contato com a pele há muitos dias.

Agora, depois da perda da tia, a sobrinha garante que irá correr atrás de justiça. “Eu não tenho medo de dizer a verdade. Eu tenho provas de tudo. Eu não vou falar nada que não consigo provar. Eu só quero que eles não façam mais isso com ninguém, que tratam como lixo uma pessoa que está buscando a cura, que a gente ama tanto”.

Doações

Na época que a professora ainda estava internada, os familiares dela organizaram uma rifa para ajudar a pagar o tratamentono Hospital São Judas. Eles ainda precisam de ajuda, pois o valor do empréstimo chega R$ 70 mil .

Para quem quiser ajudar a família basta entrar em contato com o Thiago Pereira Lima, filho de Iracilda, pelo número de Whatsapp (61) 98240-9542, ou ainda, realizar uma doação via PIX para o CPF: 739.550.191-97.

Denúncia contra o São Judas

Na segunda-feira (5), a técnica de enfermagem Amanda Delmondes Benicio, 38 anos, denunciou à imprensa e à polícia o Hospital São Judas Tadeu, por maus-tratos a pacientes internados no local. O hospital negou as acusações. 

Na oportunidade, ela alegou que, enquanto trabalhou no local, presenciou alguns pacientes caídos no chão, outros sem banhos e muitos sem serem assistidos por médicos. Além disso, muitos dos pacientes não estavam sendo medicados.

A profissional ainda responsabilizou a unidade de saúde pela morte do major da Policia Militar Thiago Martins de Souza, ocorrida no domingo (4), em decorrência da Covid-19.

Com a denúncia, a Polícia Militar oficiou o Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) e o Conselho Regional de Medicina (CRM-MT) para que investiguem a morte do major PM Thiago Martins de Souza. A denúncia da técnica de enfermagem está sendo investigada pela Polícia Civil.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.