Sábado, 08 de Maio de 2021 09:34
65 99222-1842
POLÍTICA DENTRO DA LEGALIDADE

'Nenhum temor', diz secretária em relação a CPI da Saúde

De acordo com a gestora, a CPI é papel da Câmara, desde que tudo esteja dentro da legalidade

03/05/2021 16h09 Atualizada há 4 dias
Por: Redação 3 Fonte: CAPITAL NOTÍCIA
'Nenhum temor', diz secretária em relação a CPI da Saúde

A secretária municipal de saúde, Ozenira Félix, afirmou que não possui temor nenhum em relação à CPI da Saúde criada na Câmara Municipal para investigar a denúncia sobre medicamentos vencidos no Centro de Distribuição de Medicamentos e Insumos de Cuiabá (CDMIC), encontrados no último dia 23. 

De acordo com a gestora, a CPI é papel da Câmara, desde que tudo esteja dentro da legalidade. Ela afirmou que não há temor e que os documentos estão em processo de impressão para serem entregues ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), Delegacia de Combate à Corrupção e à Câmara de Cuiabá. 

“Temor nenhum. Temos sido absolutamente transparentes e deixamos abertos todas as nossas unidades. Nós nunca quisemos esconder nada. Se quiséssemos, pegávamos aqueles medicamentos vencidos e jogávamos fora. Não fizemos isso”, afirmou, nesta segunda-feira (03.04).

"Nós estamos terminando o levantamento que a gente se comprometeu. Na fase de impressão e entrega de relatório. Nós vamos estar entregando um documento sobre os prazos de vencimento, compras, aquisições. É muito difícil apontar o culpado no meio de tanta gente", acrescentou.

VACINA PFIZER

Ozenira também explicou como deve funcionar o sistema de vacinação com a chegada das 7.020 doses do imunizante Pfizer. A distribuição nacional é feita pelo Ministério da Saúde e tem o objetivo de intensificar a Campanha Nacional de Vacinação.

Conforme a secretária, as doses ficarão somente em Cuiabá e serão usadas para a imunização de gestantes, pessoas com síndrome de down e que possuem outras comorbidades.

A possibilidade de a vacina ser distribuída para Rondonópolis (252 km de Cuiabá) e Várzea Grande, como a princípio foi anunciada, foi descartada pela secretária, após reunião com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT).

"Hoje, a gente leva para todos os lugares e distribui. No caso dela não vai ser possível abrir muitos postos, porque a partir do momento que ela é descongelada a gente tem cinco dias para aplicar", disse.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.