Sábado, 23 de Outubro de 2021
32°

Alguma nebulosidade

Cuiabá - MT

POLÍTICA VEJA LISTA COMPLETA

Saiba como o Isso É Notícia teve acesso aos pagamentos da Secom-MT

Confira lista completa dos valores gastos com propaganda e publicidade pelo Governo de Mato Grosso desde 2017

03/07/2021 às 16h42 Atualizada em 05/07/2021 às 09h15
Por: Redação
Compartilhe:
Secretário da Casa Civil bem que tentou, mas não conseguiu impedir divulgação dos gastos com propaganda do Governo de MT
Secretário da Casa Civil bem que tentou, mas não conseguiu impedir divulgação dos gastos com propaganda do Governo de MT

Nas últimas semanas, o Isso É Notícia publicou uma série de reportagens em cima da famigerada planilha de pagamentos de mídia e propaganda da Secretaria Adjunta de Comunicação de Mato Grosso, documento público cujo acesso formal foi negado pelo Governo de Mato Grosso ao portal e a sua negativa foi mantida pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desde 2019.

Entre as revelações dos valores da lista levadas a cabo pelo portal, estão a de que as rádios do secretário de Estado de Cultura, Alberto Machado, o "Beto Dois a Um", recebeu pelo menos R$ 3,3 milhões desde que o atual contrato foi firmado em 2016, além do pagamento de mais de R$ 1 milhão às rádios da família do ex-governador Silval Barbosa.

A lista chegou às mãos do diretor do Isso É Notícia, Alexandre Aprá, três dias depois de a primeira-dama Virgínia Mendes registrar um boletim de ocorrência contra o jornalista, acusando-o de calúnia ao ter reproduzido uma nota assinada pelo jornalista Enock Cavalcanti que relatou um presente recebido por Virgínia do empresário Ziad Fares, da ZF Comunicação, uma das cinco agências que detém o contrato de propaganda que já consumiu nada menos do que R$ 238 milhões dos cofres do Estado de Mato Grosso.

Três dias após Virgínia registrar o B.O., a Comissão Permanente de Licitação da Casa Civil suspendeu a licitação que estava em fase de homologação. A primeira colocada na nova disputa pelo contrato era a ZF Comunicação. Dias depois, a mesma comissão decidiu anular o certame.

Oficialmente, o motivo é de que um membro da comissão de avaliação era suspeito. Ele foi exonerado pelo Governo após a anulação do certame. Curiosamente, nenhuma agência requereu a suspeição do servidor dentro do prazo legal de impugnação que já havia se encerrado há meses.

Advogado Pedro Fim, que recebeu mesmo documento que foi negado ao Isso É Notícia

Documento foi negado a jornalista e fornecido a advogado

Apesar de ter negado as informações ao jornalista Alexandre Aprá, a relação detalhada dos pagamentos da Secom foi enviada ao advogado Pedro Daniel Valim Fim, do Observatório Social que, assim como o diretor do Isso É Notícia, também requereu via Lei de Acesso À Informação (LAI), os gastos da Secom-MT apenas com impulsionamentos em rede sociais.

Mas, ao contrário de Aprá, as informações para Pedro não foram recusadas, e além dos gastos em redes sociais,  a Secom ainda encaminhou "de brinde" a relação completa das propagandas pagas desde o início do contrato. O documento foi enviado a Pedro a partir do Protocolo nº 282317, registrado na Ouvidoria da Casa Civil de Mato Grosso no dia 19 de abril de 2021.

Por iniciativa própria, o advogado repassou a lista ao Isso É Notícia

Isso demonstra a clara intenção do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, em tentar esconder do portal o documento público que revelou à sociedade como o Governo do Estado administra a gorda verba para mídia e publicidade estatal.

Até mesmo nas informações prestadas por Mauro Carvalho ao Tribunal de Justiça no mandado de segurança movido por Alexandre Aprá para conseguir acesso ao documento público, a Casa Civil havia informado ao TJ que as agências contratadas é quem repassava os valores para os veículos de comunicação.

A informação prestada pelo secretário ao Tribunal dá a entender que Secom-MT não dispunha dos valores repassados aos veículos de comunicação, o que é desmentido pela própria existência do documento que saiu da Secretaria de Comunicação e foi formalmente repassado ao advogado Pedro Fim.

Informações prestadas por Mauro Carvalho ao TJ dão a entender que Secom não dispunha da relação de pagamentos aos veículos de comunicação, apenas as agências de publicidade contratadas

Agora, para garantir a completa transparência do documento, o Observatório Social disponibilizou um link onde está a relação completa dos pagamentos do Concorrência Pública Nº 009/2016 devidamente descriminada por veículos de comunicação.

CLIQUE AQUI para abrir a íntegra do documento

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.