Sexta, 24 de Setembro de 2021
30°

Tempo aberto

Cuiabá - MT

INTERNACIONAL CHUVA ARTIFICIAL

Com calor de 50ºC, Dubai gasta US$ 1,5 milhão em drones que fazem chover

A tempestade artificial que atingiu o norte dos Emirados Árabes foi estimulada por quatro drones de quase 2 metros de envergadura cada um

25/07/2021 às 13h05
Por: Redação 3 Fonte: UOL
Compartilhe:
Com calor de 50ºC, Dubai gasta US$ 1,5 milhão em drones que fazem chover

Enquanto no Brasil algumas cidades sofrem com as baixas temperaturas típicas do inverno, em algumas regiões dos Emirados Árabes Unidos, a situação é bem diferente. Num calor que atinge 50º Celsius, uma saída foi apelar para chuvas artificiais.

O governo de Dubai fechou uma parceria com pesquisadores ingleses para combater o problema. Só em 2017, calcula-se que US$ 1,5 milhão tenha sido investido em pesquisas para descobrir uma forma de criar chuvas artificiais.

Em média, Dubai recebe apenas 101 milímetros de chuva por ano — como comparação, as regiões mais áridas do sertão nordestino do Brasil recebem cerca de 700 milímetros de chuva por ano.

Os estudos avançaram até que, em maio deste ano, drones do Centro Nacional de Meteorologia dos Emirados Árabes tomaram os céus de Dubai para executar o experimento calculado pelos ingleses, das universidades de Bath e de Reading. Os detalhes do estudo foram publicados em um artigo científico em janeiro.

No início da semana, autoridades meteorológicas dos Emirados Árabes Unidos divulgaram um vídeo que mostram uma chuva torrencial em Ras al Khaimah, a cerca de 115 km de Dubai. De acordo com eles, esse é um exemplo das chuvas artificiais geradas com ajuda de um grupo de drones.

 

O quê rolou?

Imaginou um grupo de drones carregando um regador e molhando a cidade lá de cima? Se enganou. O que os aparelhos fizeram foi estimular nuvens com pequenas descargas elétricas, de modo a "empurrá-las" umas às outras e fortalecer as gotas de água lá dentro, que costumam evaporar com o calor antes de formar uma chuva.

"O que estamos tentando fazer é tornar as gotículas dentro das nuvens grandes o suficiente para que, quando caírem da nuvem, sobrevivam à superfície", disse a meteorologista e pesquisadora Keri Nicoll à "CNN" internacional em maio, enquanto sua equipe se preparava para começar os testes.

O resultado desses meses de engenharia climática foi sentido no último domingo (18), segundo o governo árabe. A tempestade artificial que atingiu o norte dos Emirados Árabes foi estimulada por quatro drones de quase 2 metros de envergadura cada um. Eles foram catapultados para o céu com carga suficiente para 40 minutos de voo.

Durante o voo, os drones medem a temperatura, níveis de umidade e carga elétrica dentro das nuvens. Com esses dados, os cientistas no solo decidem qual delas precisa de um "empurrãozinho".

Porque isso é imporntante?

Não é só o calor que preocupa os Emirados Árabes. O país usa 4 bilhões de metros cúbicos de água por ano, mas apenas 4% desse volume vem de fontes renováveis.

Enquanto isso, a demanda cresce: o número de habitantes do país dobrou entre 2005 e 2010, chegando a 8,3 milhões. Hoje são 9,9 milhões de pessoas.

Nos últimos anos, o governo árabe injetou dinheiro em outros nove estudos com a intenção de criar mais fontes de água para o país. Em 2016, o país chegou a considerar a possibilidade de cercar Dubai com montanhas artificiais para estimular a formação de nuvens.

Foram consideradas também as possibilidades de se construir um encanamento gigante do Paquistão até Dubai e de "importar" blocos de gelo do Ártico.

O que realmente tem dado certo, porém, é o uso de tecnologias de dessalinização — isto é, transformar a água salgada do mar em água potável removendo o sal. Cerca de 40% de toda a água consumida hoje nos Emirados Árabes, potável ou não, vem de usinas de dessalinização.

Paralelamente, o país também estuda formas de reduzir a demanda. O objetivo é cortar os gastos com água em 21% nos próximos 15 anos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.