Sexta, 24 de Setembro de 2021
29°

Tempo aberto

Cuiabá - MT

INTERNACIONAL TINHA 36 ANOS

Austrália: brasileira é 1ª mulher abaixo de 50 anos a morrer de Covid

Morte aconteceu um dia após onda de protestos contra o lockdown e a vacinação que chocaram o país

26/07/2021 às 16h21
Por: Redação 3 Fonte: METRÓPOLES
Compartilhe:
Austrália: brasileira é 1ª mulher abaixo de 50 anos a morrer de Covid

Uma mulher de 36 anos que ainda não estava vacinada foi a primeira brasileira a morrer de Covid-19 na Austrália desde o começo da pandemia de coronavírus. Ela também foi a primeira morte entre mulheres com menos de 50 anos.

O falecimento aconteceu um dia após uma onda de protestos contra a vacinação e pelo fim do lockdown terem tomado conta do país. Cidades como Sydney, a maior da Austrália, chegou a reunir cerca de três mil pessoas. Melbourne e Brisbane – escolhida na semana passada para sediar os Jogos Olímpicos de 2032 – também enfrentaram problemas com protestantes indo às ruas.

Cenas de violência, aglomeração, pessoas sem máscaras e até cavalos policiais agredidos chocaram o país, conhecido pelo baixos índices de violência.

Há cinco semanas a Austrália tenta combater a variante Delta, que chegou ao país em meados de junho e jogou a vida da população de cabeça para baixo.

Até então, os australianos viviam em uma espécie de bolha. Um país sem casos de Covid-19. A vida estava normalizada com boates abertas, estádio lotados e circulação normal de pessoas pelas cidades. Muito diferente do cenário atual, com ruas desertas e residentes trancados em casa.

Na coletiva dada diariamente pela governadora do estado de Nova Gales do Sul, onde fica Sydney, Gladys Berejinklian, disse estar com o coração partido por conta dos atos desse sábado.

“É de partir o coração saber que temos tantas pessoas com desprezo pela vida do próximo”, disse em entrevista neste domingo (25/7), ao anunciar mais 141 casos em Sydney e duas mortes nas últimas 24 horas, sendo uma delas a da brasileira.

O chefe do departamento de polícia do estado, Gary Worboys, foi mais duro e deu um recado claro. “Ontem tínhamos 400 policiais que foram agredidos por manifestantes. Se houver uma próxima manifestação desse tipo, garanto que vou mobilizar toda força policial do estado para impedir que aconteça novamente”, disse.

Worboys concluiu dizendo que o serviço de inteligência policial está trabalhando com fotos, vídeos das redes sociais e circuito de imagens para multar e prender os envolvidos. Até a tarde desse domingo, mais de 500 multas já haviam sido aplicadas com valores entre AU$ 1.000 (cerca de R$ 3.750) e AU$ 10.000 (cerca de R$ 37.500). Dois rapazes que causaram repúdio nas redes sociais ao agredirem dois cavalos da polícia (imagem) já foram julgados e estão presos. Além disso, outras 60 pessoas foram detidas até o momento.

Auxílio emergencial e baixa vacinação

Desde a primeira semana de lockdown, o governo da Austrália vem fornecendo à população uma ajuda emergencial de AU$ 600 por semana (cerca de R$ 2.250). Para os pequenos negócios, a ajuda pode chegar a A$ 15.000 (cerca de R$ 56.000) com apenas um pagamento até o momento.

O governo corre atrás agora de mais vacinas para imunizar a população. Desde o começo da pandemia, o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse por várias vezes não ter pressa em adquirir a vacina por ter a situação sob controle.

Semana passada, em meio ao aumento nos casos diários de Covid-19, ele fez um breve pedido de desculpas à população pelo atraso na vacinação. Atualmente menos de 15% da população australiana está imunizada com as duas doses.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.