Sábado, 04 de Dezembro de 2021
32°

Muitas nuvens

Cuiabá - MT

POLÍTICA CORRIDA ELEITORAL

Jayme diz que União Brasil pode não ser 3ª via e apoiar Bolsonaro

“Superpartido” foi criado com intenção de lançar nome ao Planalto, mas cenário pode mudar

19/10/2021 às 10h07
Por: Redação 2 Fonte: REDAÇÃO MÍDIA NEWS
Compartilhe:
O senador Jayme Campos: União Brasil pode não lançar nome ao Planalto
O senador Jayme Campos: União Brasil pode não lançar nome ao Planalto

O senador Jayme Campos (DEM) não descartou a possibilidade de o novo partido União Brasil manifestar apoio à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na disputa eleitoral de 2022.

A declaração é contrária a propositura inicialmente ventilada para a criação do partido: lançar um nome como terceira via na disputa entre Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Política é como fumaça: está, mas daqui a pouco não está mais. Não dá para afirmar nada. Às vezes, na convenção se define uma coligação e daqui a pouco não está mais. Tem muita água para correr embaixo da ponte”, afirmou.

Apesar de alertar sobre a possibilidade, Jayme defendeu que o “superpartido” lance sua própria candidatura. A sigla, que nasceu da fusão entre PSL e DEM, ainda não tem um nome definido.

NOTÍCIAS QUENTES -  Acesse o grupo do Isso É Notícia no Whatsapp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

“No DEM tinha o [Luiz Henrique] Mandetta, que tinha a pretensão de ser candidato, mas vão surgir outros nomes. O União Brasil também poderá apoiar seja o Bolsonaro ou outra candidatura nova que surgir”, acrescentou.

União Brasil

A fusão entre as siglas foi aprovada em convenção no início de outubro e resultou no nascimento do União Brasil.

A partir da aprovação foi formada uma comissão instituidora que enviará o processo de fusão ao TSE.  A expectativa é de que o partido seja oficializado pela Justiça até fevereiro e já tenha número nas urnas nas eleições do ano que vem.

O União Brasil nasce com 81 deputados federais e se tornará a maior bancada da Câmara Federal, desbancando o PT que, desde 2010, ocupa o posto. 

Em Mato Grosso, o cenário se repetirá e a nova sigla terá também a maior bancada, com seis parlamentares: quatro do PSL e dois do DEM.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.