Terça, 30 de Novembro de 2021
27°

Muitas nuvens

Cuiabá - MT

POLÍTICA ILEGALIDADE

TJ manda AL/MT anular aposentadoria de R$ 18 mil de ex-vereador de VG

TJ mandou anular estabilidade do ex-vereador na Assembleia e consequentemente aposentadoria que recebe do Legislativo

23/10/2021 às 12h27 Atualizada em 24/10/2021 às 10h55
Por: Redação 2 Fonte: VG NOTÍCIAS
Compartilhe:
TJ manda AL/MT anular aposentadoria de R$ 18 mil de ex-vereador de VG

A 2ª Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça (TJ/MT) rejeitou recurso do ex-vereador de Várzea Grande, Domingos Sávio Pedroso de Barros, e manteve anulação da sua estabilidade e consequentemente aposentadoria no valor de R$ 18,2 mil junto à Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT). A decisão foi disponibilizada nessa sexta-feira (22.10).

Consta dos autos que o Juízo da Vara Especializada Ação Civil Pública e Ação Popular determinou anulação da estabilidade de Domingos Sávio consequentemente sua aposentadoria sobre argumentação de a estabilidade extraordinária foi concedida sem o mesmo tenha sito aprovado em concurso público.

A defesa do ex-vereador entrou com Embargos de Declaração no TJ/MT contra a decisão que desproveu os recursos da Assembleia Legislativa e dele (Domingos Sávio) alegando que a decisão padece de vícios de omissão, tendo em vista que as teses expostas no recurso de apelação não foram integralmente apreciadas.

Argumentou a impossibilidade do reconhecimento da nulidade do ato administrativo, uma vez que deveria ser convalidado ante a inércia das partes e de submissão a prazos prescricionais ou decadenciais. Além disso, argumenta que a interposição dos Embargos tem como objetivo atender ao requisito do prequestionamento para manejo de recursos aos Tribunais Superiores.

O relator do recurso, o juiz convocado Gilberto Lopes Bussiki, apresentou voto afirmando que pode se constatar que não há qualquer vício no julgamento, já que lançado dentro do limite da lide, com fundamentos claros e nítidos.

NOTÍCIAS QUENTES -  Acesse o grupo do Isso É Notícia no Whatsapp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

Conforme ele, consta na decisão questionada, as preliminares de prescrição e decadência foram analisadas, “destacando-se que quando se tratar de ato inconstitucional, ou seja, que afronta a Constituição Federal, a prescrição e a decadência não se aplicam”.

O magistrado cita que não se verifica também qualquer contradição no acórdão da decisão questionada, “porquanto ao contrário do consignado por Domingos Sávio, constou expressamente na decisão que, a estabilidade excepcional somente se aplica ao servidor público civil que, na data da promulgação da Carta Constitucional em 5/10/88, estava em exercício de cargo público por mais de cinco anos ininterruptos em um mesmo ente federado, bem como a estabilidade recai sobre o cargo em que o servidor foi contratado e que não se caracterize como de provimento em comissão”.

“Os atos que conferiram estabilidade excepcional e efetividade ao referido servidor, com a transformação indevida em regime estatutário, bem como os atos posteriores de progressão funcional, ainda que tenham sido praticados há anos, não podem ser consolidados, por estarem em contrariedade à Constituição Federal e, portanto, nulos, ou seja, não se convalidam com o decurso do tempo. A declaração de nulidade do ato administrativo que concedeu a estabilidade extraordinária ao servidor não produzirá a extinção do seu histórico como servidor público, nem das suas contribuições previdenciárias, que deverá ser averbada junto ao INSS, adequando-se ao Regime Geral da Previdência, em procedimento administrativo próprio, que extrapolam os limites destes autos”, diz trecho do voto. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.