Terça, 30 de Novembro de 2021
26°

Poucas nuvens

Cuiabá - MT

OPINIÃO MARIA DE OLIVEIRA

A evasão escolar e a pandemia

Não devemos nos esquecer de que a pandemia nos trouxe mazelas, dor e perdas, mas nos mostrou que deveremos estar sempre preparados para o novo

26/10/2021 às 15h00
Por: Redação 3 Fonte: MARIA DE OLIVEIRA
Compartilhe:
A evasão escolar e a pandemia

Os números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) disponíveis em que se ficou sabendo que  já em 2019,  pelo menos 1,5 milhão de crianças e adolescentes estavam fora da escola no Brasil, nos leva à inevitável preocupação de que a quantidade de crianças que deixaram de se interessar pela escola – após o longo período de isolamento devido  à  pandemia – deve ter crescido pelo menos em 20%. 

Em São Paulo, como em todo o País, a  paralisação das atividades presenciais das escolas em razão da pandemia da covid-19 agravou os riscos de evasão e abandono em todo país. Lá, a expectativa é a de que a ausência de alunos nas salas de aula, já com a abertura das escolas, ultrapasse os 17%, conforme levantamento recente.

NOTÍCIAS QUENTES - Acesse o grupo do Isso É Notícia no WhatsApp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

A despeito dos esforços de gestores e educadores, ainda  muitas crianças e adolescentes deixaram o espaço escolar, seja pela falta de acesso aos serviços, pela inexistência de projetos das próprias secretarias ou falta de equipamentos de telecomunicação adequados para o ensino remoto (notadamente tablet’s e aparelhos celulares, com internet em casa) ou pelos mais variados impactos que a crise econômica e sanitária impôs. 

Em Cuiabá, uma das estratégias adotadas pela prefeitura foi a mobilização de  gestores municipais juntamente com todos os servidores das unidades escolares, mas principalmente com os professores,   com o objetivo de monitorar os índices de evasão e promover o fortalecimento de vínculos entre os estudantes e a escola, através de Monitoramento quinzenal, ligações aos pais ou responsáveis, atendendo on line aqueles alunos sem nenhum acesso à internet, gestores indo nas residências desse grupo de estudantes em busca de uma resposta e com o propósito em ajudar a trazê-los de volta à escola.  Com ações simples, mas criativas, conseguimos reduzir a evasão em níveis inferiores à média nacional.

Desde  cedo, as crianças e adolescentes têm a escola como referência de atividades, como também na construção de amizade, de bem estar, de diversão, tudo isso associado à produção do ensino. Por lógica, nossas equipes conseguiram fortalecer esses laços, principalmente porque as atividades escolares, com isolamento ou híbrida, de sorte que os efeitos foram bem menores que em outras cidades, de acordo com o próprio portal do MEC. E aqui vai meus parabéns a todos os  educadores e auxiliares, todos, de forma integral.

A escola, como se vê, deve continuar a ser a maior referências para os alunos, pois somos seres sociais e como tal os estudantes necessitam dessa interação na construção de sua personalidade. As políticas públicas devem estar em perfeita combinação com a necessidade escolar e social de cada aluno. A informática, porquanto, é uma ferramenta não apenas importante, mas fundamental para bons resultados na educação. 

Não devemos nos esquecer de que a pandemia nos trouxe mazelas, dor e perdas, mas nos mostrou que deveremos estar sempre preparados para o novo. Investir em educação com qualidade, dotando as escolas de equipamentos de mídia, dando acesso às redes disponíveis para todos, por igual, para que cada uma criança ou jovem possa desenvolver suas habilidades e aprender com qualidade. Nos manter atentos às demandas da clientela escolar e ao que os novos tempos trazem são fatores primordiais para, se não acabar, pelo menos reduzir a evasão escolar .

Maria do Socorro de Oliveira é Pegagoga, com Graduação em Pedagogia pela UFMT e Especialização em Psicopedagogia. Trabalha como Educadora na Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.