Terça, 30 de Novembro de 2021
27°

Muitas nuvens

Cuiabá - MT

POLÍTICA INCENTIVO

AL aprova lei que autoriza patrocínio estatal a clubes de futebol de MT

Valores poderão chegar até R$ 3,5 milhões. Texto ainda vai a segunda votação

26/10/2021 às 17h30
Por: Redação 3 Fonte: ALMT
Compartilhe:
AL aprova lei que autoriza patrocínio estatal a clubes de futebol de MT

Com 23 votos favoráveis e um contrário, a Assembleia Legislativa aprovou na manhã desta quarta-feira (26) um projeto de lei (PL 963/2021), de autoria do governo do estado, que institui a criação do Programa Mato Grosso Série A. 

O único voto contrário foi registrado pelo deputado estadual Lúdio Cabral (PT). O texto passou em primeira votação na Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto. Agora, precisa ser aprovado em segunda votação para ir à sanção do governador Mauro Mendes (DEM).

Pela proposta, a Secretaria de Estado de Cultura, Esportes e Lazer (SECEL) está autorizada a firmar contrato de patrocínio com clubes de futebol de Mato Grosso que disputam as séries A e B do Campeonato Brasileiro organizado pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

NOTÍCIAS QUENTES - Acesse o grupo do Isso É Notícia no WhatsApp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

Os valores estão avaliados em R$ 3,5 milhões para o clube que disputar a série A e R$ 1 milhão para participantes da série B. Atualmente, o futebol de Mato Grosso é representado pelo Cuiabá Esporte Clube na série A do brasileiro. 

A votação foi marcada pelo debate acalorado dos deputados estaduais Lúdio Cabral (PT) e Wilson Santos (PSDB).

O petista alegou que existem pareceres de TCEs (Tribunais de Contas Estaduais) apontando discordância com relação ao patrocínio estatal a clubes de futebol. 

“Esse dinheiro seria melhor investido se fosse aplicado na área social. O que o governador deseja é apenas surfar na popularidade do Cuiabá Esporte Clube. Seria sensato da direção do clube abrir mão deste patrocínio”, disse. 

Por outro lado, o deputado Wilson Santos, que é vice-líder do governo no Legislativo, rebateu o argumento do petista. “Não existe fulanização no projeto proposto pelo Executivo. Concordo plenamente com o patrocínio. O futebol é também gerador de emprego e renda e ocupa a mídia espontânea. O governo está correto quando investe no futebol profissional”, declarou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.