Terça, 30 de Novembro de 2021
27°

Muitas nuvens

Cuiabá - MT

COTIDIANO IMBRÓGLIO

VLT do Reino Unido tem problemas; empresa é a mesma que vendeu veículos a MT

Os veículos, que apresentaram problemas, pertencem à CAF, mesma empresa que forneceu os trilhos para Mato Grosso para as obras do VLT

19/11/2021 às 07h54 Atualizada em 19/11/2021 às 14h06
Por: Redação 2 Fonte: FOLHA DO ESTADO
Compartilhe:
VLT do Reino Unido tem problemas; empresa é a mesma que vendeu veículos a MT

Após constatar várias rachaduras em Veículos Leves sobre Trilhos (VLT), o metrô de Birmingham, no Reino Unido, suspendeu os serviços por tempo indeterminado para que fossem feitas as devidas manutenções. Os veículos, que apresentaram problemas, pertencem à CAF, mesma empresa que forneceu os trilhos para Mato Grosso para as obras do VLT.

Os problemas nos veículos de Birmingham foram identificados em junho deste ano, quando os serviços foram suspensos por cinco dias para serem feitos reparos e manutenções temporárias. Porém, esta semana decidiram que é necessário fazer manutenção adicional e permanente, pois as rachaduras tinham até 300 mm de comprimento.

Histórico

Iniciadas em 2012, com previsão de serem entregues para a Copa de 2014, as obras do VLT estão paralisadas há sete anos por irregularidades no contrato, que resultaram em várias ações judiciais. A situação piorou após a delação do ex-governador Silval Barbosa, que confessou vários crimes ligados a esta obra, envolvendo recebimento de propinas milionárias para a escolha do modal, além de pagamentos superfaturados.

Em 2017, a Polícia Federal deflagrou a operação “Descarrilho”, que revelou esquemas de corrupção no processo licitatório e apontou superfaturamento superior a R$ 120 milhões para a compra dos veículos.

NOTÍCIAS QUENTES -  Acesse o grupo do Isso É Notícia no Whatsapp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

A implantação do VLT em Cuiabá e Várzea Grande previa a construção de três terminais de integração e 33 estações com um custo previsto de R$ 1,4 bilhão. Desse total, R$ 1,08 bilhão já foi pago ao Consórcio VLT, formado pela CAF, CR Almeida, Santa Barbara e Magna. Essas empresas foram declaradas pela justiça como “inidôneas para contratar com o Poder Público”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.