Quarta, 01 de Dezembro de 2021
24°

Nuvens esparsas

Cuiabá - MT

POLÍTICA "CONVERSA FIADA"

Governador seria obrigado a baixar ICMS e se antecipou por politicagem

Mauro observou decisão jurídica que se avizinhava e adotou a demagogia para tentar capitalizar com eleitorado

25/11/2021 às 08h30 Atualizada em 25/11/2021 às 14h18
Por: Redação 2 Fonte: MINUTO MT
Compartilhe:
Mauro Mendes não tinha opções em relação ao ICMS
Mauro Mendes não tinha opções em relação ao ICMS

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM/UB), que anda se inclinando para pautas de esquerda, como a causa LGBTQIA+, parece que realmente tomou gosto pela maneira de fazer política dos líderes vermelhos, como Lula e cia. Sendo assim, o tradicional tempero dos discursos e ações de governo, como é bem peculiar, sempre é na base da “conversa fiada”.

O gestor estadual, que tem seus bons informantes em Brasília, sabia que uma ação das Lojas Americanas contra o Governo de Santa Catarina, há seis anos tramitando no Supremo Tribunal Federal – STF, estava muito próxima de ser sentenciada contra o Executivo do estado sulista.

A decisão em questão, sentenciada na Suprema Corte na última segunda-feira (22), fará Santa Catarina, de maneira obrigatória, reduzir a alíquota de ICMS para um máximo de 17% para o setor de telecomunicações e energia elétrica, acompanhando a tendência de “serviços essenciais”.

Em Santa Catarina, tal como cá, a alíquota praticada para os dois setores está, atualmente, em 25%. Nesta quarta-feira (24), a Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT acabou de aprovar uma projeto de autoria do “governador bonzinho”, diminuindo a alíquota das telecomunicações e energia elétrica, por uma COINCIDÊNCIA daquelas só presentes nas novelas do Manoel Carlos, exatamente para os 17% sentenciados pelo STF para os catarinenses.

NOTÍCIAS QUENTES -  Acesse o grupo do Isso É Notícia no Whatsapp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

Com isso, o governador de Mato Grosso não terá o desgaste, que alguns outros terão, de obrigatoriamente ter que baixar impostos por determinação judicial, já que a decisão deve ter repercussão ampla e quem não a aderisse estaria fatalmente incorrendo em inconstitucionalidade na forma de tributo. Com a cara lavada, Mendes ainda tenta tirar lucros políticos da história.

Como diria o matuto do interior: “malandro, quando vê que vai cair, deita…”. Malandro no bom sentido, senhor governador, claro… Só a título de informação, o atual Governo do Estado arrecadou menos de R$ 11 bilhões, em 2019, no seu primeiro ano de atuação. Em apenas 12 meses depois, pulou mais de R$ 23 bilhões, em 2020.

Já para o ano que vem, a previsão que acaba de ser anunciada é que a mordida vai gerar R$ 26,5 bilhões para o caixa. Como Poder Público não tem outra fonte de renda a não ser o bolso do contribuinte, os números são mais do que evidentes para mostrar as prioridades administrativas desta gestão. Dentro deste prisma, definitivamente, deixar mais dinheiro na conta do cidadão não é, nunca foi e jamais será motivo do riso de Mauro, Maurinho, Gallo e cia ltda…

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.