Sábado, 04 de Dezembro de 2021
32°

Muitas nuvens

Cuiabá - MT

POLÍTICA “SONEGAM MUITO”

Deputado quer acesso às provas da operação que apura sonegação do agronegócio em Mato Grosso

Operação investiga produtores rurais por suposto envolvimento em esquema de sonegação

25/11/2021 às 14h16 Atualizada em 26/11/2021 às 09h58
Por: Redação 2 Fonte: VG NOTÍCIAS
Compartilhe:
Deputado Wilson Santos é presidente da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal na AL/MT que irá investigar produtores rurais
Deputado Wilson Santos é presidente da CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal na AL/MT que irá investigar produtores rurais

O deputado estadual, Wilson Santos (PSDB), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT), afirmou nessa quarta-feira (24.11) que irá solicitar informações aos órgãos competentes sobre a Operação Ultimatum, deflagrada ontem, e que investiga produtores rurais de Mato Grosso por suposto envolvimento em esquema de sonegação que pode ter causado prejuízo de aproximadamente de R$ 110 milhões na comercialização de grão.

A operação foi deflagrada pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários (Defaz), em conjunto com a 14ª Promotoria de Justiça Criminal de Cuiabá, o Comitê Interestadual de Recuperação de Ativos e a Secretaria de Estado de Fazenda (CIRA). Nela, 130 produtores rurais foram intimados para prestarem esclarecimentos no inquérito policial que investiga uma organização criminosa que sonegou milhões.

NOTÍCIAS QUENTES -  Acesse o grupo do Isso É Notícia no Whatsapp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

Segundo Wilson, a partir do próximo mês (dezembro), a CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal irá concentrar suas investigações na sonegação de impostos por parte do setor de agronegócio, que de acordo com o parlamentar, “sonega muito imposto”. Os trabalhos da Comissão foram prorrogados por mais seis meses - iniciando a partir de 1º de dezembro.

Ainda segundo o parlamentar, as informações da operação de hoje são muito importantes para detectar quem são os sonegadores, e que por isso a Comissão irá solicitar acesso ao inquérito que apura o caso.

“A CPI vai ser prorrogada por mais seis meses a partir de dezembro, e neste período a investigação será por parte do agronegócio que sonega e sonega muito. O setor de combustíveis sonega e sonega muito. O setor de mineração é uma farra generalizada. Mato Grosso perde bilhões de reais anualmente por não ter uma fiscalização eficiente, rigorosa, presente nos quatros cantos do Estado”, disse Wilson.  

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.