Sábado, 04 de Dezembro de 2021
32°

Muitas nuvens

Cuiabá - MT

INTERNACIONAL RECEBIDO COM HONRAS

Bolsonaro diz que Macron o provocou ao receber Lula com status de presidente

Depois do encontro presidencial entre Lula e Emmanuel Macron, Jair Bolsonaro, que é um pária internacional, falou pela primeira vez sobre seu desconforto

25/11/2021 às 16h18
Por: Redação 2 Fonte: BRASIL 247
Compartilhe:
Bolsonaro diz que Macron o provocou ao receber Lula com status de presidente

Jair Bolsonaro disse, em entrevista à rádio Sociedade da Bahia, que encarou como uma "provocação" a recepção com honras de chefe de estado dada pelo presidente da França, Emmanuel Macron, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na semana passada, em Paris, em agenda do petista no continente europeu. 

O presidente francês é crítico ferrenho da política ambiental do atual governo brasileiro. Macron chegou a vetar qualquer acordo comercial com o Mercosul, falando em 'crime de ecocídio' por parte do Brasil.

Questionado se considerava a recepção ao ex-presidente uma provocação, Bolsonaro, considerado um pária internacional, disse que sim e atacou o presidente francês: "Parece que é uma provocação sim. Será que o serviço de inteligência dele [Macron] não sabe quem foi o Lula aqui ao longo dos oito anos dele e mais seis de Dilma, o que foi feito no Brasil?". 

NOTÍCIAS QUENTES -  Acesse o grupo do Isso É Notícia no Whatsapp e tenha notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)

De acordo com reportagem do portal UOL, Bolsonaro argumentou que Macron "sempre foi contra" seu governo por ser um concorrente em relação a exportações agrícolas e "sempre bateu" em sua gestão pelas questões ambientais.

Bolsonaro disse ainda que Macron teria "um problema" com ele e que os ataques ao Brasil são injustos. "Interessa mais a ele (Macron) ter uma pessoa passiva, corrupta como é o Lula, aliado dele, no futuro do que eu", completou.

O exitoso encontro entre Lula e Macron durou uma hora e teve o meio ambiente em pauta. Segundo o ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim, que acompanhou o ex-presidente , eles não tocaram diretamente em "assuntos internos" do Brasil, como Bolsonaro e as eleições de 2022.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.