Segunda, 23 de Maio de 2022
15°

Alguma nebulosidade

Cuiabá - MT

JURÍDICAS AÇÕES AFIRMATIVAS

MPF investiga UFMT por falta de critérios em política de cotas raciais na pós-graduação

Mesmo após 6 anos de notificação do MPF, UFMT não definiu critérios objetivos para inclusão racial em cursos de pós-graduação

25/01/2022 às 07h03 Atualizada em 25/01/2022 às 13h36
Por: Alexandre Aprá
Compartilhe:
Campus de Cuiabá da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
Campus de Cuiabá da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

O Ministério Público Federal em Cuiabá instaurou um inquérito civil para apurar a falta de critérios objetivos para inclusão de negros (negros e pardos), indígenas e pessoas com deficiência seus programas de pós-graduação.

A portaria que instaurou o inquérito foi publicada no Diário Oficial do MPF nesta terça-feira (25) e é assinada pela procuradora da República, Denise Nunes Rocha Müller Slhessarenko.

Segundo a procuradora, foi formulada uma denúncia ao órgão narrando que não há reserva de vagas para pessoas com deficiência no edital para o Processo Seletivo nos cursos de pós-graduação (mestrado e doutorado) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Em resposta ao MPF, a UFMT confirmou que não há resolução que institua e uniformize os critérios das políticas de ações afirmativas na Pós-Graduação.

A instituição ainda informou que “foi dada liberdade a cada programa de pós-graduação para aplicar políticas de ações afirmativas internas em seus editais, enquanto uma comissão interna própria formulasse uma resolução para posterior avaliação na Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação do CONSEPE”.

A UFMT previu que aprovaria a resolução para disciplinar o assunto em noventa dias. No entanto, após 6 anos, segundo o MPF, ainda não formalizou as políticas afirmativas, o que ensejou a abertura da investigação para apurar as responsabilidades dos gestores educacionais da UFMT.

Segundo a procuradora, o inquérito tem como objetivo o de "apurar inobservância do prazo previsto no artigo 2º da Portaria Normativa MEC n. 13/2016 para apresentação de proposta que estabeleça e uniformize os critérios de inclusão de negros (pretos e pardos), indígenas e pessoas com deficiência em todos os seus programas de pós-graduação".

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.