Domingo, 22 de Maio de 2022
13°

Alguma nebulosidade

Cuiabá - MT

POLÍTICA SIMULACRUM

Segurança do governador é preso em operação que apura grupo de extermínio em MT

Capitão da PM recebe R$ 23,7 mil por mês e está lotado no "Núcleo de Proteção de Dignatários" da Governadoria, órgão responsável pela segurança de Mauro Mendes

31/03/2022 às 11h58 Atualizada em 01/04/2022 às 17h29
Por: Alexandre Aprá
Compartilhe:
Capitão PM, Ronaldo Reiners, cuida da proteção pessoal do governador de MT
Capitão PM, Ronaldo Reiners, cuida da proteção pessoal do governador de MT

Um dos militares presos na Operação Simulacrum, deflagrada nesta quinta-feira (31) pelo Ministério Público Estadual (MPE) e pela Polícia Judiciária Civil, é um capitão que atua na segurança do governador Mauro Mendes (DEM).

De acordo com a lista de presos da operação divulgada por sites locais, um dos alvos é o capitão Ronaldo Reiners.

Reiners está lotado no "Núcleo de proteção de dignitários" do gabinete do governador Mauro Mendes (DEM) que na atual gestão é chamado de "governadoria".

LEIA MAIS: PC já prendeu 63 militares acusados de assassinatos em MT; veja lista

Na folha de pagamento de março de 2022, o militar aparece com salário bruto de R$ 23.793,98.

Holerite de março mostra rendimentos de capitão no gabinete do governador de MT

Reportagem divulgada pelo Isso É Notícia no ano passado revelou que Mauro Mendes tem a sua disposição quase 90 militares das forças de segurança do Estado lotados na Governadoria, servindo diretamente ao governador e seus assessores próximos.

LEIA MAIS: Gabinete do governador de MT tem 84 militares à sua disposição

Conforme o MPMT e a Polícia Civil, o grupo de militares é investigado pela morte de 24 pessoas, com evidentes características de execução, além da tentativa de homicídio de, pelo menos, outras quatro vítimas, sobreviventes.

A operação faz parte das investigações realizadas em seis inquéritos policiais, já em fase de conclusão, relativos a supostos “confrontos” ocorridos em Cuiabá e Várzea Grande.

De acordo com as investigações, os militares envolvidos contavam com a atuação de um colaborador que cooptava interessados na prática de pseudos crimes patrimoniais, sendo que, na verdade, o objetivo era ter um pretexto para matá-los.

Segundo o MP, após atraí-los a locais ermos, onde já se encontravam os policiais militares, eram sumariamente executados, sob o falso fundamento de um confronto.

LEIA TAMBÉM: SUSPEITA DE VAZAMENTO? Governador exonerou de gabinete PM envolvido em execuções 9 dias antes de operação

Outro lado

A asssessoria de comunicação do governo de Mato Grosso informou que o capitão Ronaldo Reiners não faz mais parte da segurança do governador desde o dia 8 de março passado.

Segundo o governo, o militar, agora, está fazendo um curso do Bope.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.