Cuiabá, 13 de dezembro de 2017

Isso é Notícia

MENU

EDUARDO MAHON

A difícil vida do branco, hétero e rico

EDUARDO MAHON EDUARDO MAHON

Advogado

O Ives Gandra não é negro, nem homossexual, nem índio, nem sem-terra e pergunta como vai fazer para viver no Brasil nos dias atuais. Alega o renomado tributarista que, de certo modo, virou minoria. Por um momento, fiquei com pena de Ives Gandra.

Ele, coitado, é mesmo franca minoria em nosso país. Está confortavelmente instalado em 3 andares inteiros na Alameda Jaú, Cerqueira César, num dos bairros mais refinados de São Paulo. Não é para qualquer um. Trata-se de 0.001% da população. Como será aguenta viver nos Jardins? É quase impossível

Sendo branco, advogado, católico, professor aposentado, presidente do Conselho Superior de Direito da Fecomercio de São Paulo, estou emocionado com as condições deploráveis de vida deste reles pagador de tributos. Até eu quero saber: como é que um cidadão como Ives Gandra Martins consegue viver no Brasil? 

No Brasil, de acordo com o IBGE, mesmo com a política de cotas, 13% de jovens negros chegam às universidades, um escândalo para Ives Gandra Martins. É menos da metade que os pobres brancos que não têm a menor condição de cursar medicina, por exemplo, um curso em que 98% do corpo discente é composto pela minoria de Ives Gandra, ou seja, brancos.

Já os pobres – ah, os pobres, sempre atrapalhando a riqueza nacional! – somam 8.3% dos estudantes universitários nas instituições públicas de ensino superior, e ficam com 4% das vagas nas faculdades particulares. É um absurdo que pretos e pobres tenham tanto espaço, tantas vagas, sejam tratados de forma mais benéfica, na visão do causídico que se desespera vivendo nesse regime opressor tupiniquim.

Na visão de Ives Gandra, ser índio no Brasil é morar num paraíso. De cada 1000 crianças indígenas, 50 morrem antes de completar 1 ano de vida, 100% mais do que a média nacional. Do alto dos 3 andares do escritório na Cerqueira César, Ives reclama que os índios estão com uma porção de terra absolutamente desproporcional ao número de habitantes que sobraram nas aldeias. Segundo o banco de dados do SUS, 55% das mortes por desnutrição ocorrem entre índios.

Na visão do emérito professor Ives Gandra Martins, é provável que esses índios morram porque não querem comer. E, talvez, diga ele que são pobres – sim, são os cidadãos mais pobres do país – porque decidiram viver na extrema miséria. Há de mostrar três ou quatro índios com caminhonete, vivendo nababescamente, enquanto não diz que as tribos passam fome, morrem de diarreia, malária, tuberculose e outros presentes deixados por sociólogos, antropólogos e assemelhados.

A cada ano, morrem 365 gays, lésbicas , bissexuais e travestis. Apenas pela condição sexual, nada mais. Esse índice faz do Brasil o país que mais violenta sexualmente suas minorias que, na visão de Ives Gandra Martins, é privilegiada por políticas públicas com secretarias, comissões e outros disparates. Contra as mulheres, é contabilizado 5 mortes a cada 100 mil, o que coloca o país em 5º no ranking de mais violento.

Especificamente contra mulheres negras, o homicídio subiu em 54% nos últimos 10 anos, conforme dados do Ipea. Num balanço recentemente realizado pela Central de Atendimento à Mulher, em comparação a 2014, houve aumento de: 44,74% no número de relatos de violência, 325% de cárcere privado (média de 11,8/dia), 129% de violência sexual (média de 9,53/dia), 151% de tráfico de pessoas (média de 29/mês).

O doutor Ives Gandra Martins deve sofrer com algum tipo de síndrome de alheamento. É acometido pelo pensamento simplista de que, quando há trabalho e educação, há prosperidade. Ocorre que os negros, índios e LGBTs têm 70% menos estudo e, portanto, menos chances no mercado de trabalho. A culpa é deles mesmos – essa gente preguiçosa que vive de bolsas do governo.

Ele deve pensar que gays podem ser gays somente da porta de casa para dentro, pretos devam voltar para a África, assim como índios devam se confinar em aldeias inacessíveis. Concordo com o professor-doutor: é muito difícil viver no Brasil. Vou além: como é que nós conseguimos conviver com alguém como Ives Gandra Martins num mesmo país?

Leia matérias relacionadas:

Sou mais PT
VALDIR BARRANCO

Sou mais PT

A intenção do PT-MT é formar uma chapa de centro-esquerda capaz de combater o atual modelo de gestão implantado com o início do governo tucano Pedro Taques

Comente pelo Facebook!

Comente pelo site!

Olá, deixe seu comentário para A difícil vida do branco, hétero e rico

Já temos 4 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Antônio Jose

Antônio Jose

Chega de dia do índio dia do negro daqui a pouco terá o dia do gay dia do japonês.
DIA 19.11.17 10h55RESPONDER
Enviando Comentário Fechar :/
Manoel Silva

Manoel Silva

Ives Gandra representa pensamento retrógrado. Ele foi contra o uso de células tronco pra experiências científicas que podem ajudar pessoas com deficiência e na cura de doenças genéticas.
Belo texto. Vou compartilhar.
DIA 19.11.17 10h25RESPONDER
Enviando Comentário Fechar :/
Luiz Domingues

Luiz Domingues

Um professor e ainda mais um professor doutor jamais deveria ter este sentimento quanto verbalizá-lo, demonstrou o tamanho de sua pequenez talvez não tenha um lugar no mundo que o mereça. Parabéns Mahon!!!
DIA 19.11.17 06h57RESPONDER
Enviando Comentário Fechar :/
Antonio Moura

Antonio Moura

Sou negro e fiquei muito satisfeito com a essa resposta de um branco comprometido com os direitos dos excluídos para outro branco defensor e participante da elite econômica e política do país. Esse artigo Tam bem demonstra a importância dos brancos na luta contra o racismo, a discriminação racial, a homofobia e a intolerância com as diferenças humanas
DIA 17.11.17 08h52RESPONDER
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/