Cuiabá, 15 de novembro de 2019

Isso é Notícia

MENU

LUIZ HENRIQUE LIMA

Aktion T-4 e ADI 5.581

É surpreendente a capacidade camaleônica de certas propostas. De acordo com a conjuntura, apresentam-se com roupagem conservadora ou revolucionária. Sem mudar a sua essência, tentam se apresentar de modo a satisfazer o pensamento dominante em determinada época ou sociedade. Como o camaleão, essa transmutação externa não intenta apenas a sobrevivência, mas também a iludir seus alvos potenciais e maximizar o número de vítimas.

Em 2019, completam-se 80 anos do início das operações da infame Aktion T-4 pelos nazistas na Alemanha. O programa era executado pela cinicamente denominada Fundação de Caridade para Cuidados Institucionais, diretamente subordinada ao gabinete de Hitler.

A Aktion T-4 consistia no assassinato em massa de crianças com deficiências físicas ou mentais, mediante injeções letais ministradas em clínicas. O programa era tão odioso que, mesmo sob a implacável ditadura nazista, provocou uma reação popular que levou a sua suspensão em outubro de 1941, tendo continuado clandestinamente nos campos de concentração.

Oficialmente, a Aktion T-4 matou 70.273 pessoas, de recém-nascidos a adolescentes. Todavia, no julgamento de crimes do nazismo em Nuremberg, estimou-se em 275 mil o número total de vítimas.

Eram duas as justificativas dos nazistas.

Hoje não se fala mais em eugenia ou economia de guerra, mas em saúde psíquica da mulher, estado de necessidade e direito de escolha

Pessoas com deficiências "incuráveis" mereciam a morte por misericórdia. Isso se aplicava a cegueira, epilepsia, doenças mentais e a todos que tivessem uma Lebensunwertes Leben, ou seja, "uma vida indigna de ser vivida". Esse pensamento se alinhava com as teses da eugenia e do aprimoramento da raça, que nos Estados Unidos tinham como adepta a fundadora do Planned Parenthood, principal rede de clínicas de aborto do mundo.

Além disso, era alto o custo do tratamento dessas pessoas, algumas exigindo cuidados e medicamentos durante toda a vida. Num país em guerra, todo o esforço econômico deveria ser destinado ao equipamento das Forças Armadas não podendo ser desperdiçado com pessoas incapazes de combater.

Atualmente, o Supremo Tribunal Federal examina a Ação Direta de Inconstitucionalidade 5.881 que, entre outras questões, pretende autorizar a prática de aborto para as gestantes infectadas pelo vírus zika. Isso porque existe a possibilidade de alguns bebês nascerem com doenças neurológicas, como a microcefalia.

Além da ADI 5.881, há outras tentativas em curso de fazer o STF liberar novas hipóteses de aborto, distorcendo a Constituição e desrespeitando o Congresso Nacional, como a ADPF 442.

Não tenho dúvida de que, se entre nós estivessem, os executores da Aktion T-4 apoiariam entusiasticamente o pleito da ADI 5.881. E não se trata de retórica. É que na primeira metade do século XX inexistia a possibilidade que hoje temos de realizar sofisticados exames pré-natais, capazes de identificar o sexo do bebê, seu tipo sanguíneo, formação de órgãos, doenças cromossômicas, cardíacas etc. Assim, os nazistas tinham que esperar a criança primeiro nascer para ver se tinha alguma deficiência e então assassiná-la. Agora, para os defensores da ADI 5.881, basta constatar que a gestante está infectada com o vírus zika e que há alguma probabilidade de o bebê nascer doente e já se pode resolver o potencial problema impedindo o nascimento mediante aborto.

Hoje não se fala mais em eugenia ou economia de guerra, mas em saúde psíquica da mulher, estado de necessidade e direito de escolha.

Em países que dispõem de uma legislação permissiva em relação ao aborto, o sonho da Aktion T-4 se tornou real. No Reino Unido, por exemplo, de acordo com o Relatório Anual de 2010 do The National Down Syndrome Cytogenetic Register, disponível na internet, foram abortadas 91% das gestações em que foi feito o diagnóstico pré-natal de Síndrome de Down. Ou seja, noventa e um por cento de futuros portadores de síndrome de Down foram impedidos de nascer!

Segundo dizem expressamente os proponentes da ADI 5.581, o direito à vida não é absoluto para o nascituro. Os nazistas da Aktion T-4 concordariam. E você, prezado leitor?

 

Leia matérias relacionadas:

Lixo Tóxico
VILSON NERY

Lixo Tóxico

A empresa quer lucro,simplesmente assim, capitalismo selvagem na essência, e bancou a proliferação de lixo tóxico na política

O caso das OSCIPs
LUIZ HENRIQUE LIMA

O caso das OSCIPs

As Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, conhecidas como OSCIPs, têm sido objeto de grande polêmica

Comente pelo Facebook!

Comente pelo site!

Olá, deixe seu comentário para Aktion T-4 e ADI 5.581

Enviando Comentário Fechar :/