Cuiabá, 15 de setembro de 2019

Isso é Notícia

MENU

OSCAR D´AMBROSIO

Orgulho da negritude feminina

Em tempos de um posicionamento da mulher negra no local que sempre lhe era devido e infelizmente foi negado por uma sociedade machista e racista em diversos aspectos, o musical “Elza”, atualmente, no Teatro Sergio Cardoso, em São Paulo, SP, merece ser lido não só como um ato de devoção à cantora Elza Soares, mas a liberdade de existir.

A vida da artista tem elementos melodramáticos suficientes para sete vidas, incluindo a infância pobre, um casamento e uma viuvez precoces, marcadas por violência física e sexual, além da união com o craque Garricha, envolvido com o vício da bebida, a morte de quatro de seus oito filhos, a morte da mãe num acidente e uma grave queda no palco.

Elza Soares soube se reconstruir continuamente e buscou constantemente se reafirmar com a sua voz inconfundível e com a convicção de que poderia alcançar o espaço que lhe cabia apesar das dificuldades, do preconceito e dos acontecimentos que pareciam sempre a jogar para os porões da existência.

Mas ela soube como atingir o sótão com claraboia e a varanda iluminada. Para isso, o musical conta com a presença iluminada de sete intérpretes que dão vida à cantora em diferentes momentos da carreira, principalmente a atriz convidada Larissa Luz, com um timbre que traz ao palco, a presença onipotente de Elza Soares com todo o orgulho e talento da negritude feminina.

Leia matérias relacionadas:

Desconfiando até de Deus
ARNALDO JUSTINO

Desconfiando até de Deus

A sociedade tem a fidúcia no Ministério Público e confia que esse órgão seja o seu defenso

Vitória para MT
LUIZ HENRIQUE LIMA

Vitória para MT

Em meio a tanta turbulência no cenário político e econômico, esta semana nos trouxe uma excelente notícia:

Comente pelo Facebook!

Comente pelo site!

Olá, deixe seu comentário para Orgulho da negritude feminina

Enviando Comentário Fechar :/