Cuiabá, 22 de agosto de 2018

Isso é Notícia

MENU

LUIZ HENRIQUE LIMA

Os chapéus do bisavô

LUIZ HENRIQUE LIMA LUIZ HENRIQUE LIMA

Conselheiro interino do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT)

Reza a lenda familiar que um dos meus bisavôs tinha três chapéus: um preto, um cinza-claro e outro cinza-escuro. O preto era reservado para solenidades oficiais e eventos como enterros ou velórios. O uso dos outros dois variava conforme seu estado de espírito. Nos dias alegres, escolhia invariavelmente o cinza-claro; quando estava triste, preocupado ou zangado, optava pelo cinza-escuro.

Aos poucos, aquela escolha intuitiva e quase automática que fazia logo cedo ao sair de casa passou a ser observada, primeiro pelos familiares, depois pelos vizinhos e finalmente pelos demais poucos moradores do pequeno vilarejo nas lonjuras do vale do rio do Peixe, no oeste catarinense.

Exagerada ou não, a estória confirma algo que a neurociência e a psicologia comportamental teorizaram algumas décadas depois

Assim, de longe se reconhecia o humor do velho Lima. Se vinha pela rua com seu chapéu cinza-claro, sabia-se que estava animado e todos se apressavam a cumprimentá-lo, sorridentes e dispostos a esticar um dedo de prosa e compartilhar um bom chimarrão. Mas se apontava com o chapéu cinza-escuro, sinal de que o humor não era dos melhores, as saudações eram mais distantes e formais e os diálogos encerrados mais rapidamente, como que em respeito a seja lá o que for que estivesse apoquentando o estimado vizinho. Então, não se esquentavam as chaleiras, nem se contavam anedotas.

A bem da verdade, cumpre assinalar que o bisavô era quase sempre extrovertido e bonachão, o que fazia com que o chapéu cinza-claro fosse muito mais usado que o cinza-escuro. Mas, talvez por esse motivo, quando vestia o cinza-escuro, ainda que por engano ou distração, a reação era imediata: nesse dia, poucos se lhe achegavam para conversar.

Exagerada ou não, a estória confirma algo que a neurociência e a psicologia comportamental teorizaram algumas décadas depois. Se você inicia suas atividades com boa disposição (chapéu cinza-claro), você atrai energias e reações positivas; do contrário (chapéu cinza-escuro), os percalços e dificuldades parecerão mais árduos e você terá menos ajuda para superá-los. Acredito que a maioria dos leitores já viveu algum tipo de experiência semelhante.

Recordei-me dos chapéus do bisavô, ao ler comentários sobre o resultado de uma pesquisa acerca do ânimo dos brasileiros diante das próximas eleições para presidente e para os demais cargos em disputa. Qual será o chapéu que escolheremos para comparecer às urnas?

De acordo com alguns especialistas, a exemplo de outros pleitos, grande parte de nossos compatriotas vestirá o chapéu da indiferença e do desprezo. Outras parcelas significativas tendem a decidir por usar os chapéus da raiva, da revolta ou do medo, ou até do nojo, ou de uma combinação qualquer entre eles.

A que destino melhor poderão esses chapéus nos conduzir? Com o devido respeito, todos esses me lembram do chapéu cinza-escuro do meu bisavô: quando vestido pela manhã, todo o restante do dia transcorria invariavelmente sombrio. A história ocidental registra diversos casos de decisões tomadas sob o impacto de emoções violentas que, longe de produzir soluções duradouras, multiplicaram tragédias.

Na eleição, cada um de nós contribui para desenhar o destino coletivo da nação. O que é determinante para guiar nossas escolhas? Com que chapéu tomamos as decisões sobre nossa vida familiar ou profissional? O caminho que escolhemos é guiado pela vingança ou pela esperança? Prevalecerá o ódio à política, ou a alguns de seus personagens, ou o amor à democracia e às liberdades?

 

Quanto a mim, apesar de não desconhecer tanta coisa triste e errada, que poderia justificar até mesmo o luto de um chapéu preto, vou procurar, lá no fundo do armário, talvez um pouco desbotado, e certamente meio fora de moda, um chapéu cinza-claro, desejando paz, trabalho, esperança e alegria para o futuro do meu país.

Leia matérias relacionadas:

A malandragem escancarada
ANA PONCINELLI

A malandragem escancarada

Margareth Buzetti representa uma mentalidade racista e preconceituosa de uma parcela de pseudoempresários que se enriqueceram com incentivos fiscais em MT

Comente pelo Facebook!

Comente pelo site!

Olá, deixe seu comentário para Os chapéus do bisavô

Enviando Comentário Fechar :/